(48)3622-4162 | (48)9 9672-4755 |
Dr Francisco Marconato e Dr Eduardo Miranda realizam procedimento diferenciado para tratamento do Cãncer de Próstata e são notícia no Jornal Diário do Sul
7 de julho de 2019
Dr Francisco participa do Programa Conte a Sua Historia, em comemoração ao Dia do Urologista
1 de outubro de 2019

Saiba mais sobre Incontinência Urinária

O que é incontinência urinária?

É a perda de urina que você não consegue controlar. Muitos homens e mulheres sofrem de incontinência urinária. Não se sabe ao certo quantos, porque muitas pessoas não contam a ninguém sobre seus sintomas por se sentirem envergonhadas ou ainda por acharem que nada pode ser feito para tratar o problema. Por isso, elas sofrem em silêncio.

A incontinência urinária não é somente um problema físico. Ela pode afetar aspectos emocionais, psicológico e a vida social das pessoas. Muitos que têm essa condição têm medo de fazer suas atividades diárias normais para evitar expor o seu problema. Eles não podem ficar muito longe de um banheiro e evitam aglomerações de pessoas. Portanto, a incontinência urinária impede que as pessoas aproveitem a vida.

Muita gente acha que a incontinência urinária é um problema normal que surge com o envelhecimento. Mas isso não é verdade. E a incontinência urinária pode ser controlada e tratada. Converse com um urologista e descubra qual é a melhor opção de tratamento para você.

Quais são os tipos de incontinência urinária?

A incontinência urinária atinge aproximadamente 5% da população mundial de todas as idades, acometendo com mais frequência mulheres e idosos, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS). São 10 milhões de brasileiros com esta condição.

A IU também pode surgir como um sintoma de alguma doença, como infecção urinária, cálculo vesical, tumores de bexiga, poliúria e outras doenças neurológicas como Parkinson, sequelas de AVCs ou lesões na medula.

Qualquer pessoa pode ter IU, mas ela não é igual em todos. As formas principais de incontinência urinária:

Incontinência urinária de esforço: é a perda de urina que ocorre ao tossir, espirrar, caminhar, correr, pular. Ocorre quando os músculos do assoalho pélvico (músculos que cobrem a cavidade inferior da bacia e sustentam os órgãos que estão no abdômen) são forçados durante esforço físico e se tornam enfraquecidos ou alongados demais. Isso leva a perdas urinárias em episódios, podendo ocorrer em gotas ou em grande quantidade. Não existem medicamentos para esse tipo de incontinência urinária e as recomendações de tratamento estão na fisioterapia e na cirurgia.

Incontinência urinária de urgência: é a perda de urina associada a um desejo súbito e urgente de urinar, que ocorre porque o indivíduo não consegue chegar ao banheiro a tempo. É o que ocorre na bexiga hiperativa, uma situação na qual o músculo detrusor (músculo que forma a bexiga urinária) se contrai involuntariamente mesmo se a bexiga não estiver cheia. Muitas vezes a pessoa tem que urinar com muita frequência e em algumas vezes a urina escapa antes de chegar à toalete. Essa condição pode ser tratada de diversas maneiras, incluindo medicamentos, estímulos elétricos com equipamentos de fisioterapia, uso de toxina botulínica e implantes de estimulares elétricos nas raízes nervosas.

Incontinência urinária mista: algumas pessoas têm os dois tipos de incontinência urinária, ou tem sintomas que podem ser dos dois tipos e chamamos esta condição de incontinência mista. Algumas vezes são necessários exames mais específicos, chamados exames urodinâmicos, que ajudam a ter um diagnóstico preciso para escolher o melhor tratamento.

Incontinência urinária paradoxal: ocorre quando a bexiga está extremamente cheia e a perda urinária ocorre por uma espécie de transbordamento; o problema nesse caso é a incapacidade de esvaziamento da bexiga, mas o sintoma é a perda de urina. É o que ocorre em pessoas que perdem a sensibilidade da bexiga e não percebem que ela está cheia. Ou ainda em pessoas com obstrução crônica, como nos homens com crescimento da próstata. Nesse caso o tratamento consiste em melhorar o esvaziamento da bexiga.

Incontinência urinária em atletas de alto impacto: Quem realiza atividades físicas de alto impacto também não está livre da incontinência urinária. Durante a prática esportiva, há aumento da pressão intra-abdominal, que pode causar um impacto sobre o assoalho pélvico de três a quatro vezes mais que o peso do atleta. Esportes que incluem contração abdominal máxima de forma repetitiva, como atletismo, artes marciais, fisiculturismo, basquete, futebol, aumentam a ocorrência de IU.

Quais são os fatores de risco?

É possível identificar alguns fatores de risco para incontinência urinária. Conheça e evite-os:

  • Bexiga hiperativa: este termo é utilizado para pessoas que têm desejo súbito de urinar e dificuldade para controlar o xixi. São mais propensas a ter a incontinência urinária de urgência.
  • Consequência de cirurgias: um dos tratamentos de tumores na próstata é a prostatectomia radical (remoção total da próstata). Tal cirurgia pode acarretar sequelas, como impotência sexual e incontinência urinária.
  • Constipação constante: a constipação pode influenciar de maneira negativa o funcionamento da bexiga. Isso porque o intestino e a bexiga compartilham as mesmas conexões na medula espinhal.
  • Diabetes mellitus: a doença pode prejudicar o funcionamento dos nervos da bexiga devido ao acúmulo de sorbitol (que deriva do metabolismo da glicose).
  • Doenças do sistema nervoso: o sistema nervoso controla o funcionamento de diversos órgãos, entre eles a bexiga. Quando há lesão na medula, a pessoa pode perder a capacidade de sentir a bexiga cheia.
  • Idade: a probabilidade de ter incontinência aumenta com a idade. Em cada 10 homens mais velhos, de 1 a 3 relatam ter incontinência urinária.
  • Infecção urinária: também conhecida como cistite, é possível que agrave a perda involuntária de urina. O tratamento pode melhorar ou curar a incontinência urinária
  • Insuficiência cardíaca: gera retenção de líquidos durante o dia, causando inchaços nas extremidades do corpo. Ao deitar, esses líquidos são reabsorvidos e filtrados pelos rins, o que aumenta a necessidade de levantar à noite para urinar.
  • Fraqueza de músculos da região pélvica e idade avançada: os músculos da região pélvica ajudam a manter a continência urinária. Geralmente, os idosos sofrem o enfraquecimento dessa região, o que pode causar perda urinária e urgência miccional.
  • Medicamentos: alguns medicamentos podem dificultar o esvaziamento da bexiga. Sendo assim, há retenção urinária crônica, podendo ocorrer a iu por transbordamento, causando gotejamento contínuo. Esse tipo de incontinência é mais comum em homens que sofrem de aumento da próstata e sentem dificuldade para esvaziar a bexiga.
  • Obesidade: pessoas obesas geralmente têm o aumento da pressão intra-abdominal, podendo comprimir a bexiga e outros órgãos pélvicos. A perda de 5% do peso melhora a iu.
  • Tabagismo: o uso de tabaco pode causar doença pulmonar obstrutiva crônica, ocasionando tosses fortes. Esse sintoma pode piorar a incontinência urinária.

Como prevenir a incontinência urinária?

É possível adicionar à rotina do dia a dia uma série de hábitos que evitam a incontinência urinária. Fique por dentro:

  • Controle a ingestão de líquidos à noite.
  • Evite bebidas alcoólicas e com cafeína.
  • Controle o diabetes e o peso corporal.
  • Abandone o tabagismo.
  • Regule os intervalos entre as micções. Não espere apenas a vontade de urinar para ir ao banheiro.
  • Mantenha uma alimentação saudável, com bastante fibras.
  • Realize atividades físicas regularmente.
  • Reconheça e evite alguns fatores que causam a IU, como uso de remédios diuréticos ou problemas de locomoção em idosos.

Se você acha que pode ter incontinência urinária, procure um urologista e faça uma consulta. A maioria dos casos tem solução que pode até ser muito simples.