(48)3622-4162 | (48)9 9672-4755 |

Cálculo Renal



Cerca de 12% da população irá apresentar, ao longo da vida, um episódio de sintomas associado a cólica renal, sendo muito mais comum em homens do que em mulheres.

O diagnóstico pode ser feito através de achados de rotina ( ultrassom), porém, a manifestação mais comum é a cólica renal: episódio de dor súbita e intensa, associada ou não a náuseas e vômitos, localizada comumente na região lombar.

Nesses casos, o paciente frequentemente necessita ser encaminhado a um serviço de pronto atendimento para receber analgésicos endovenosos.

A maioria desses cálculos poderá ser tratado clinicamente, porém, dependendo do tamanho do cálculo, alteração da função renal ou infecção associada, poderá ser indicado tratamento cirúrgico. A melhor maneira de evitar formação de novo cálculo passa por uma mudança comportamental, onde a hidratação com água e chás é o fator principal.

A redução de peso, diminuição do consumo de sal e proteína animal são medidas importantes.

Dependendo do caso, o urologista poderá utilizar medicações específicas.

Por que não tomar água durante a crise de cálculo renal?

A ingestão de água é uma das principais recomendações para prevenir crises de cólica renal, mas não quando o problema já está instalado.

As cólicas renais normalmente acontecem porque as pedras nos rins obstruíram as vias urinárias. Muita gente ainda segue o antigo conselho de beber bastante água quando experimenta uma crise, pois, em teoria, o processo faria com que o rim forçaria o líquido a empurrar o cálculo para baixo.

Já se sabe hoje, no entanto, que durante essa obstrução, o rim filtra a urina e não tem onde eliminar o líquido, causando então a dilatação e o inchaço que provocam as dores.